Survey of the Seaweeds of the Beach of Pina, Recife Pernambuco


Survey of the Seaweeds of the Beach of Pina, Recife Pernambuco


SILVA, E. V1, ANJOS, F. B. R.1, CARVALHO, R. C. X2.

1UNIVERSIDADE FEDERAL DE PERNAMBUCO, RECIFE – PE.
2UNIVERSIDADE DE PERNAMBUCO, RECIFE – PE.


American Journal of Marine Research and Reviews

The constant interference of human activities has had direct and indirect impacts on aquatic environments with consequences for water quality for aquatic biota and the functioning of ecosystems, thereby reducing the ability to use. This study aimed to describe the qualitative and quantitative variation of species of macroalgae from Praia do Pina, Recife-PE, in the rainy season and drought. The collections were made in August 2007 (rainy season) and January 2008 (period of drought). Data on the occurrence of macroalgae were collected by snorkeling using the combined techniques of sampling belt transects (50m x 1m) and quadrats (1m x1m). The species of greatest abundance in both periods were almost the same: Ulva lactuca, U. fasciata, U. intestinalis, Caulerpa sertularioides, C. filiformis; C.prolifera; C.racemosa, and C. lentillifera; being found in smaller quantities: Pterocladia capillaceous, Hypnea musciformis, H. pannosa, H. cervicornis, Sargassum Muticum, S. vulgare, S. ilicifolium, Padin Pavoni, P. tetrastromatica, Dictyota dichotoma, Gracilaria warts and G. Salicornia. The two species were only found in Glacilaria period of drought and the species S. ilicifolium was found during the rainy season. About 80% of macroalgal distribution in reef studied is composed of individuals belonging to the phylum Chlorophyta, 12% are representatives of the phylum Phaeophyta and 8% are belonging to the phylum Rodhophyta. These percentages are very close to the values presented in two urban beaches in the Metropolitan Region of Recife and a beach on the northern coast of the state of Pernambuco, where areas have been intensified the processes of human occupation and exploitation, and increasing industrialization. The predominance of species of Chlorophyta may represent a greater tolerance to the flora of the pollutants.


Keywords: Praia do Pina, macroalgae, seasonality, pollution.


Free Full-text PDF


How to cite this article:
SILVA, E. V, ANJOS, F. B. R., CARVALHO, R. C. X.Survey of the Seaweeds of the Beach of Pina, Recife Pernambuco. American Journal of Marine Research and Reviews, 2019; 2:9. DOI: 10.28933/ajmrr-2019-05-1905


References:

1. CASTRO, F. J. V. Variação temporal da meiofauna e da nematofauna em uma área mediterrânea da Bacia do Pina. Pernambuco, Brasil. 2003. 111p. Tese (Doutorado em Oceanografia) CTG. UFPE.
2. UNESCO. International Oceanographyc Table. Wormly: 1973. n.2, l4lp.
3. TRAVASSOS, R E.R F. Hidrologia e biomassa primária do fitoplâncton do Estuário do rio Capibaribe, Recife – Pernambuco. Recife, 1991. 288p. Dissertação (Mestrado em Oceanografia Biológica) – Universidade Federal de Pernambuco, 1991.
4. TUNDISI, J. Produção primária “standing-stock” e fracionamento do fitoplâncton na região lagunar de Cananéia. São Paulo, 1969. l3Op. Tese (Doutorado) – Fac. Fil. Cien. Letr., Universidade de São Paulo, 1969.
5. SASSI, R., VELÔSO, T.M. G.; MELO, G. N.; MOURA, G. F. de. Variações diurnas do fitopiâncton e de parâmetros hidrológicos em Recifes costeiros do Nordeste do Brasil. in: ENCONTRO BRASILEIRO DE PLÂNCTON, 4., 1990, Recife. Anais Recife: UFPE, 1991. p. 61-82.
6. ARAGÃO, J. O. R. de. A influência dos oceanos Pacífico e Atlântico na dinâmica do tempo e do clima do Nordeste do Brasil. In Oceanografia — Um cenário tropical: ESKINAZI-LEÇA, E.; NEUMANN-LE1TÃO, S.; COSTA, M. F. (Org.).. Recife: Bagaço, 2004. p. 287-31 7.
7. SASSI, R. Fitoplâncton de formação recifal de Ponta do Seixas ([ai. 7°3’16”
S – Long. 34°47’35” W), Estado da Paraíba, Brasil: composição ciclo anual
e alguns aspectos físico-ecológicos. São Paulo, 1987. 163 p. Tese (Doutorado
em Ciências – instituto Oceanográfico da Universidade de São Paulo, 1987.
8. SASSI, R., VELÔSO, T.M. G.; MELO, G. N.; MOURA, G. F. de. Variações diurnas do fitopiâncton e de parâmetros hidrológicos em Recifes costeiros do Nordeste do Brasil. in: ENCONTRO BRASILEIRO DE PLÂNCTON, 4., 1990, Recife. Anais. Recife: UFPE, 1991. p. 61-82.
9. BOLD, H. C.; WYNNE, M. J. Introduction to the algae: structure and reproduction. Ed. Englewood Cliffs: Prentice-hail. 1985. 706p.
10. COUTINHO, P.N.; Lima, A.T.O.; Queiroz, C.M.; Freire, C.S.S.;A; et al. Estudo da erosão marinha nas praias de Piedade e Cadeias e no estuario de Barra de jangada Municipio de Jaboatão dos Guararapes-PE, Laboratório de Geologia e Geofisica Marinha-LGGM/UFPE, Relatorio Tecnico. 1997. 154p
11. NUNES, J.M.C. Catálogo de algas marinhas bentônicas do estado da Bahia, Brasil. Acta Botân. Malacit, 1998. v. 23, p.5-21,
12. OLIVEIRA FILHO, A. Estudos preliminares de macroalgas como indicadoras das condições ambientais da área recifal nas praias de Boa Viagem e Pina, Pernambuco, Brasil. Monografia (Especialização) – Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Departamento de Oceanografia, Gestão de Ambientes Costeiros Tropicais, 2001.
13. MARTINS, A.; ABU-RAYA, M.; FREITAS R. Distribuição das macroalgas marinhas na zona intertidal da ilha de São Vicente. Disponível em: http:/ /www.geocities.com/bmpc v /botani ca/grupo1.htm> 2000. Acesso em: 5 dez. 2001.
14. JOLY, A.B. Gêneros de algas marinhas da costa atlântica latino-americana. São Paulo: Editora da Universidade de São Paulo, 1967. 461 p.
15. COCENTINO, A.L.M. Família Rhodomelaceae (Ceramiales–Rhodophyta na praia de Serrambi–Pernambuco–Brasil). Dissertação de Mestrado – Universidade Federal Rural de Pernambuco. Departamento de Botânica. 1994. 176p.
16. MARQUES JR., A.N.; MORAES, R.B.C.; MAURAT, M.C. Poluição marinha, In: Pereira, R.C.; Soares-Gomes, A. (org.), Biologia marinha. Editora Interciência. Rio de Janeiro, 2002, p. 311-334.
17. PEREIRA, S.M.B.; OLIVEIRA-CARVALHO, M.F.; ACCIOLY, M.C.; ANGEIRAS, J.A.P. Macroalgas do Estado de Pernambuco/parte I – Chlorophyta. Livro de Resumos da VII Reunião Brasileira de Ficologia. Porto de Galinhas. 1999, p. 79,
18. PEREIRA, S. M. B., CARVALHO, M. F. O., ANGEIRAS, J. A. P., PEDROSA, M. E. B., OLIVEIRA, N. M. B., TORRES, J., GESTINAR, L. M. S., COCENTINO, A. L. M., SANTOS, . D., NASCIMENTO, P. R. F., CAVALCANTI, D. R. 2002. Algas marinhas bentônicas do Estado de Pernambuco. In TABARELLI, M., SILVA, J. M. C. (orgs) Diagnóstico da biodiversidade de Pernambuco. Editora Massangana, Recife, 5: 99-124 (b).
19. SOUSA, G.S. Macroalgas como indicadoras da qualidade ambiental da Praia de Piedade-PE. Monografia (especialização) – Universidade Federal de Pernambuco. CTG. Departamento de Oceanografia. Gestão de Ambientes Costeiros Tropicais. 2001.
20. OLIVEIRA FILHO, E.C.; HORTA, P.A.; AMANCIO, C.E.; SANT’ANNA, C.L. Avaliação de áreas prioritárias para conservação da biodiversidade da zona costeira e marinha. Algas e angiospermas marinhas bênticas do litoral brasileiro. 1999. Disponível em: htpp://www.ib.usp./algamare-br> Acesso em: 28 de abril de 2008.
21. YONESHIGUE-BRAGA, Y. Flora marinha bentônicada Baía de Guanabara e cercanias. I. – Chlorophyta. Instituto de Pesquisas da Marinha, Rio de Janeiro, Publicação, 1970ª. v. 42, p.1-55.
22. YONESHIGUE-BRAGA, Y. Flora marinha bentônica da Baía de Guanabara e cercanias. II. – Phaeophyta. Instituto de Pesquisas da Marinha, Rio de Janeiro, Publicação, 1970b. v. 45, p.1-31.
23. YONESHIGUE, Y. Taxonomie et écologie des algues marines dans la région de Cabo Frio (Rio de Janeiro, Brésil). Doucteur de d‘Etat-Sciences, Université d‘Aix-Marseille, Marseille. 1985.
24. TEIXEIRA, V.L., PEREIRA, R.C., JÚNIOR, A.N.M., LEITÃO FILHO, C.M. & SILVA, C.A.R. Seasonal variations in infralitoral seaweed communities under a pollution gradient in Baía de Guanabara. Rio de Janeiro: Ciência e Cultura. 1987. v. 39, p. 423-428.
25. PEREIRA, S.M.B.; RIBEIRO, F.A.; BANDEIRA-PEDROSA, M.E. Algas pluricelulares do infralitoral da praia de Gaibu (Pernambuco-Brasil). Revista Brasileira de Biociências. 2007, v. 05 (02), p. 951-953.
26. ARAUJO, M.C.B.; SOUZA, S.T.; CHAGAS, A.C.O.; BARBOSA, S.C.T; COSTA, M.F. Análise da ocupação urbana das praias de Pernambuco, Brasil. Revista de Gestão Costeira Integrada, 2007, 7(2), 97-104.
27. VILLES, H.; SPENCER, T. Coastal Problems: Geomorphology, ecology and Society et the Coast. Edward Arnold, Map of Pernambuco State Coast, with the subdivision (North, Metropolitan and South setors), according to GERCO – PE (www.cprh.pe.gov.br).
28. DOMINGUEZ, J.M.L.; BITTENCOURT, A.C.S.P.; LEÃO, Z.M.A.N.; AZEVEDO, A.E.G. Geologia do quaternário costeiro do estado de Pernambuco. Revista Brasileira de Geociências, 1990, v. 20, p.208-215.
29. SANTOS, C.H.A; LOURENÇO, J.A. WIEGAND, M.C. PENAFORT, J.M. IGARASHI, M.A. Aspectos do cultivo de algas marinhas com vistas a sustentabilidade da atividade. Fortaleza: Universidade Federal do Ceará. Disponível em: http://www prex.ufc.br/formularios/Meio_Ambiente_2006. Acesso em: 15 mai. 2009.